23 febrero 2010

IMPRESORES PORTUGUESES HEBREOS (II)

Elesier Toledano

Nome / Nombre: Elesier Toledano.

Formas impressas/conhecidas do nome: Elezier Toledano, Rabi Elieser.

Período de actividade / Fechas de actividad: 1489-1492.

Lugar: Toledo

Lisboa (1489-1492)

Fez, Turquia (anterior a 1516)

Notas: Sem marca conhecida. Proprietário e editor de uma oficina tipográfica que dirigiu movido por intuitos devotos e piedosos. Não exerceu actividade enquanto impressor, sendo, no entanto, conhecidos os nomes de alguns dos artífices que com ele colaboraram.

De origem espanhola, viveu em Toledo e talvez em Híjar, antes de se estabelecer em Lisboa. Não confundir com Elisier ben Abraham Alantanasi, impressor em Híjar, entre 1485-1490, cujas gravuras e matrizes dos tipos terão sido, provavelmente, utilizadas por Elesier Toledano bem como por outros impressores.

A sua primeira impressão conhecida é a da obra Novas da lei ou Comentário ao Pentateuco (16 de Julho de 1489), devida ao Rabi Moses ben Nahman. As suas edições ficaram célebres pela sua qualidade e perfeição tipográfica e pelo rigor textual, tendo sido modelo para outros impressores judeus dentro e fora de Portugal. Veja-se o caso da edição lisbonense do Pentateuco, impressa por Zaqueu em 1491.

Em 1491, trabalha consigo um outro impressor, José Kalfon, na impressão de Os cinco livros da Lei.

Parte do seu material tipográfico foi, posteriormente, usado por um seu anterior empregado, Judiah Gedaliah, em Salonica (1515-1535).

Caracteres usados: tipos quadrados de três tamanhos e rabínicos de um só corpo; usou material tipográfico proveniente de HÍjar. Terão ainda sido utilizados caracteres latinos na impressa de Certificados de indulgências (talvez entre 1489 e 1492).


Abraão d'Ortas

Nome / Nombre: Abraão d'Ortas

Formas impressas/conhecidas do nome: Abraham Ben-Semuel d'Ortas, Samuel Dortas

Período de actividade / Fechas de actividad: 1494-1496

Lugar: Leiria

Notas: Sem marca conhecida. Filho do impressor Samuel d'Ortas, oriundo de Orthez (Pirinéus Atlânticos), teve mais doi irmãos que colaboraram na oficina tipográfica da família. Foi o principal artífice da oficina da família e , ainda, abridor das matrizes e fundidor dos caracteres tipográficos.

Em 1494, imprime-se a primeira obra, Primeiros Profetas, tendo sido acabada a 2 de Fevereiro. Sabe-se hoje, através de estudos de gematria aplicados à leitura do colofão, que os Provérbios de Salomão, edição custeada pelo rabino Samuel Kolodro, tem data de 30 de Junho de 1497 e não a de 25 de Julho de 1492, como se suponha. Só assim se pode, também, compreender a manifestação de surpresa e admiração do impressor pela nova arte, no colofão de 1494.
Em Fevereiro de 1496, imprimem-se as tábuas astronómicas do matemático Zacuto, o Almanach, em Castelhano e Latim, sob financiamento régio, abandonado o país após o decreto de expulsão dos Judeus, em 5 de Dezembro do mesmo ano.

Caracteres usados: três tipos de caracteres quadrados e um de letra rabínica. Na mesma oficina, supõe-se que também tenham sido usados caracteres ocidentais góticos.



1 ANSELMO, As origens…, p. 122-126.

Delgado Casado, Juan - Diccionario de impresores españoles (siglos XV-XVII). Madrid: Arco Libros, 1996, vol. II, p.200-202.

2 DIAS, João José Alves - Nova forma de transmissão… p. 496-495, e nota 209 da p. 295.

3 DIAS, opus
cit. p. 494 e nota 208.

4 Ibidem, p. 495 nota 215.
5 ANSELMO, As origens…, p. 126-128.


Sofia Simões

21 febrero 2010

IMPRESORES PORTUGUESES HEBREOS (I)

Tras consultar un día el tan traído aquí Marques d'impressors y darme cuenta de la escasísima presencia de impresores portugueses, se me ocurrió la idea de hacer una entrada dedicada a ellos. Para su realización contacté con Sofia Simões, una buena lectora de este blog y profesional bibliotecaria especializada en libro antiguo. Lo que en principio iba a tratar sólo de las marcas tipográficas, se ha acabado conviritiendo en un estudio de los primeros tipógrafos lusos con una recopilación de imágenes de su material tipográfico. En esta primera parte Sofia Simões nos introduce en el panorama de la imprenta incunable judía en Portugal para a continuación empezar por el que puede ser el primero de sus representantes, Samuel Gacon. En Picasa hemos creado un álbum de imágenes llamado Impresores portugueses hebreos.


Oficinas Tipográficas Hebraicas – 1487 ? - 1496


Três são os centros de produção do livro impresso, tradicionalmente, associados ao fabrico do livro em proto-oficinas hebraicas – Faro, Lisboa e Leiria -, correspondendo estes às localização daquelas que seriam as comunidades hebraicas mais numerosas e prósperas, em Portugal, na segunda metade do século XV.

Considera-se o início do seu período de funcionamento coincidente com o dos primórdios da introdução da arte impressória em Portugal (1487), prolongando-se até à entrada em vigor da lei de expulsão dos Judeus por D. Manuel, cujo édito, embora publicado em 5 de Dezembro de 1496, só viria a ser efectivo a partir de 31 de Outubro de 1497.

Em anos mais recentes, novos estudos de gematria aplicados à transcrição do colofão de algumas edições, conduzem-nos a novas datações e, subsequentemente, à hipótese de novos primeiros centros impressórios para tipografia hebraica em Portugal, como adiante explicaremos nas fichas respectivas de cada impressor/editor.

O requisito do estudo e conhecimento da Torah, dentro da comunidade hebraica, definiu desde sempre a finalidade espiritual das obras impressas nestas oficinas, na sua maioria textos religiosos destinados à propagação da lei mosaica, dos preceitos do Talmud e do pensamento teológico e místico hebraicos, junto de uma comunidade cada vez mais vasta, sobretudo após as emigrações vindas de Espanha. Num último momento, podemos dizer que as obras impressas teriam já como função preparar a Diáspora após a expulsão.

Todavia, importa não ignorar que em centros como Leiria e, provavelmente, Lisboa, estas oficinas imprimiram também em caracteres latinos (góticos), como o comprovam algumas das espécies sobreviventes até aos nossos dias.

A tipografia hebraica caracterizava-se por utilizar punções próprias, produzidas na Península Ibérica, permutadas entre impressores ibéricos, cujo estilo é chamado de sefardita, nisto se diferenciando de toda a demais produção hebraica europeia. O desenho dos tipos apresentava três variedades: rabínica, quadrada e aramaica. Supõe-se que os tipos utilizados em Faro e Leiria tenham sido de produção local, já os Lisboa parecem ter tido origem nas mesmas matrizes de Híjar, como adiante se demonstrará.


BIBLIOGRAFIA

ANSELMO, Artur - «Os primeiros impressores que trabalharam em Portugal» . In História da edição em Portugal. [Porto?] : Lello & Irmão, 1991. P. 97-104.

- As origens da Imprensa em Portugal. Lisboa : Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 1981.

Delgado Casado, Juan - Diccionario de impresores españoles (siglos XV-XVII). Madrid: Arco Libros, 1996. 2 v.

DIAS , João José Alves – Nova forma de transmissão do «verbo» - a imprensa. In Nova história de Portugal . Dir. de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques. Lisboa: Presença, 1998. Vol. 5, cap. X, pt. 5, p. 489-504.


Samuel Gacon

Nome/nombre:
Samuel Gacon.

Formas impressas ou conhecidas do nome:
Dom Samuel Gacon (Pentateuco); Dom Samuel Porteiro (Talmud).

Período de actividade / Fechas de actividad: 1487-1492 (ou 1493) ou 1492-1497.

Lugar: Faro

Notas: Sem marca tipográfica conhecida.

Editor e, possivelmente, também impressor.

De origem nobre, pertenceu à comunidade judaica de Faro, tendo-lhe sido atribuída a função de «porteiro» dentro da administração judicial da comunidade, provavelmente, após a impressão do Pentateuco, segundo defende Artur Anselmo.

A sua impressão do Pentateuco de 1487 tem sido considerada como o primeiro incunábulo português. No entanto, estudos recentes de gematria levam a crer que a data exacta seja a 17 de Dezembro de 1497, alterando a localização da primeira paleo-tipografia, comprovadamente conhecida em Portugal, de Faro para Lisboa. Este exemplar único do Pentateuco está hoje disponível na British Library.

A ser verdadeira a data de 1487, não chegaram até nós publicações impressas pela sua oficina entre o período de 1487 e 1492, o que leva Artur Anselmo a supor que tais livros se tenham perdido e não que a sua oficina tenha cessado de actividade.

Após o édito de expulsão dos Judeus de Portugal, a sua descendência emigra para a Turquia, usando o apelido de Gascon, e para a Itália, em Pesaro, onde prosseguiu com a impressão de obras talmúdicas sob o nome de Porteiro.

Caracteres usados (segundo vestígios encontrados em Pesaro, no século XVI): tipos quadrados de dois tamanhos; as vogais-pontos só aparecem na matriz maior (caixa alta?!).


ANSELMO, As origens…, p. 119-122.

2 ANSELMO, Artur - As origens da Imprensa em Portugal. P. 119-120.

3DIAS , João José Alves – Nova forma de transmissão do «verbo» - a imprensa. P. 494, nota 206, e p. 495.

4 Cf. Anselmo, opus cit., p. 121-122.

5 O Decreto manuelino de expulsão dos Judeus de Portugal data de 5 de Dezembro de 1496.

Sofia Simões